ATENÇÃO! Não seja um arremessador de currículos

Outro dia recebi um email assim:

Olá Willian (com meu nome escrito errado mesmo), sou um profissional formado em engenharia pela universidade de tal e depois de mais três parágrafos inteiros de texto corrido falou que estaria disponível para alguma posição dentro da minha empresa. Anexo veio seu currículo com mais quatro páginas de texto… E olha que eu nem trabalho mais como recrutador.

É claro que tenho a sensibilidade de entender que os tempos são difíceis e que é melhor se mover do ficar parado esperando alguma coisa cair do céu, mas se a opção é pela ação aqui vão algumas estratégias que podem ajudar você a não se tornar um freak operador de “control C” e “control V” arremessador de currículos;

:: Atenção ao nome de seu interlocutor, ninguém gosta de ver seu nome escrito errado. Eu não gosto, e aposto que você também não! No meu caso é WilliaM com M de Maria no final e não com N de Navio;

:: Tempo é hoje o ativo mais escasso da sociedade moderna, então evite textos longos, que com boa probabilidade serão ignorados por qualquer potencial recrutador;

:: Entenda se a pessoa que você está disparando seu material é responsável por contratações dentro da empresa. Ela não precisa ser necessariamente do RH, mas se você é um profissional de TI a eficácia de enviar o CV para o departamento de finanças é muito baixa;

:: E-mails massivos? Saia correndo dessa estratégia;

:: Porque você precisa enviar o CV já no primeiro contato? Poucos oferecem ajuda antes de pedir. Tente entender como você poderia ajudar determinada empresa, e aí quando o relacionamento for sendo construído seu material terá melhor chance de ser absorvido. – Headhunters recebem muitos e-mails com “Oi, você pode me ajudar?”, mas poucos recebem com “Oi, que tipo de ajuda você precisa?”;

:: Pesquise sobre seu interlocutor, tente buscar afinidades ou até mesmo pessoas em comum. Redes sociais te permitem essa pesquisa. Logo em seguida, personalize o texto de maneira que soe atrativo para quem o leia. Se por acaso encontrar algum artigo interessante do seu potencial contato, um elogio sincero poderia ser uma boa maneira de começar a conversa;

:: Não crie barreiras mentais achando que você vai ser inconveniente. Aquela pessoa pode justamente estar com um grande problema nas mãos que a solução seria justamente te encontrar. Já pensou nisso? Evite sim (como já foi falado), textos grandes, pedidos sem contrapartidas, e CV anexo no primeiro contato;

:: Não desista. Resiliência é peça chave. Mesmo o melhor dos contatos vai ter uma altíssima probabilidade de cair no limbo. É normal. Respire, busque outro contato e avance em direção a construção do seu network;

:: Já que diabo está nos detalhes, que tal dar aquela última revisada ortográfica antes de apertar o send?

E por aqui estamos falando de contatos escritos… Contatos telefônicos são algumas vezes até mais eficazes, mas aí o cuidado necessita ser redobrado para evitar possíveis inconveniências. Outros meios como o aplicativo whatsapp também vem ganhando destaque na usabilidade profissional, então se for usá-lo nessa linha, evite aquela foto com a caipirinha de morango na não.

Espero que as dicas tenham ajudado.

Construa sua rede de contatos de forma estratégica.

Mensagens para mim serão sempre bem-vindas.

 

Por William Monteath

LinkedIn:
https://www.linkedin.com/company/foxacademybr

Instagram:
https://instagram.com/foxacademybr?igshid=1lsaw87ute6jd

YouTube:
https://www.youtube.com/channel/UCXHZRDD07dagt49IctyXOwQ

Facebook:
https://www.facebook.com/foxacademybr/