70% dos executivos cometem esse erro grave!

Executivos só “despertam” para uma movimentação quando normalmente chegam aos seus limites extremos

 

Mais de 70% dos executivos que buscam a gente, seja para Transição de Carreira ou Recolocação, têm uma característica muito marcante em comum.

Geralmente são executivos homens, de 35 a 50 anos, organizados, carreira estável e com redes de contato frágeis.

E que, por toda vida enquanto gestores, sempre cuidaram dos seus colaboradores, mas nunca tiveram alguém dedicado para olhar para as suas carreiras.

Eis que de repente, do nada, vem aquela bomba: “obrigado pela sua dedicação ao longo desses anos, mas seus serviços não serão mais necessários”.

E, só depois que absorvem o impacto da notícia, é que começam a se questionar: “Por onde começo?”.

Alguns executivos só “despertam” para uma movimentação quando normalmente chegam aos seus limites extremos, sacrificando em muitos casos sua saúde física e mental, sua integridade e até mesmo suas famílias.

Além de arriscado, permanecer na inércia e passividade – dentro da sua própria bolha – pode representar um enorme custo de oportunidade para sua carreira. Os executivos mais bem-sucedidos que conheci, sem exceção, estavam sempre com o radar ligado. Sempre à espreita para o “shark attack”, para aquela oportunidade que pudesse mudar seu patamar de vida, de propósito e de carreira. Afinal, o raio dificilmente cai no mesmo lugar duas vezes. Por isso, reuni algumas dicas valiosas para que você não seja pego de surpresa e possa se antecipar ao mercado.

1- Mantenha contato constante com headhunters especializados: Não importa se você está ou não ativamente buscando uma oportunidade; você precisa se relacionar frequentemente com o mercado, saber o “quanto você vale”, que cadeiras se movimentaram, quais segmentos estão mais quentes e propensos a contratar. Tão importante quanto gerir seu P&L, por exemplo, é poder extrapolar a sua caixa e se abrir ao novo, estar atento às tendências e ao que o mercado tem a dizer. Como exercício, liste 10 headhunters referências no seu segmento / nível. Imponha uma meta de manter-se em contato semanal (almoço, cafés) com 1 deles, pelo menos, para que ao longo de 2 a 3 meses você possa voltar a repetir o processo. Com isso, você estará sempre no radar dos headhunters e, caso saia do seu trabalho – voluntária ou involuntariamente – não precisará dispender uma energia absurda para sacudir a sua rede. Com a introdução dessa simples rotina, você poderá aumentar significativamente as chances de casar oportunamente o timing de sua saída com uma futura oferta ou diminuir a janela de tempo em uma possível recolocação.

2- Estenda a mão antes de pedir. Exercite sua empatia sempre, a todo instante, a todo minuto. What goes around… comes around. Se você está empregado, busque sempre ser um elo, um agente que conecta pessoas à outras pessoas e a oportunidades. Seja um hub. Circule as informações de vagas – que não sejam confidenciais, obviamente – entre seus contatos. Gere valor à sua rede e não aguarde por retorno. O universo se encarregará de fazê-lo.

3- Almoce mais com colegas, amigos, ex-colaboradores que ocupem posições acima de você. Esteja em lugares estratégicos, com pessoas igualmente estratégicas. Como executivo, se seu tempo é ativo escasso, por que não combinar um almoço agradável e produtivo? Lembra também que esse contato pode se converter numa belíssima oportunidade de se conhecer, diretamente o tomador ou influenciador de um processo, as suas dores, seus conhecimentos de mercado e possíveis antecipações de mudança de peças. Como exercício, a cada encontro, estipule a meta de solicitar, pelo menos, 3 contatos novos que possam ser introduzidos, através de uma ponte estabelecida pelo seu ponto em comum. Com isso, você expande a sua rede, de forma orgânica e sustentável. Se você tem dificuldades de mitigar a sua exposição ao mercado (caso esteja trabalhando) e de como convidar pessoas de 2º grau (amigos de amigos) para uma reunião, em outros posts e vídeos falaremos sobre algumas técnicas muito eficientes e pragmáticas para vencer esse obstáculo.

4- Desenvolva suas habilidades comerciais: Não adianta. Felizmente para alguns e infelizmente para muitos, é normal que, em condições normais de temperatura e pressão, em um processo em que dois candidatos se equivalham tecnicamente, se sobressaia quem se vender, se comunicar e, principalmente, se preparar melhor. Por isso, ainda é fundamental revisitar nosso elevator pitch e deixá-lo tinindo. Esteja aberto a oportunidades e saiba identificá-las e convertê-las (num outro post, falaremos também sobre isso). Se exponha mais, frequente mais eventos. Quem não é visto, não é lembrado. Participe de encontros de networking do seu segmento. Feiras, hackatons, fóruns, congressos, summits, encontros de Alumni. Não tem desculpa esfarrapada!

5- Correr é o novo MBA.  Além de desenvolver disciplina, foco e capacidade de planejamento, a corrida – assim como qualquer outro esporte grupal ou coletivo, na verdade – pode trazer um benefício que pouca gente fala a respeito: networking. Una o útil ao saudável.

 

Por: Filippe Apolo

LinkedIn:
https://www.linkedin.com/company/foxacademybr

Instagram:
https://instagram.com/foxacademybr?igshid=1lsaw87ute6jd

YouTube:
https://www.youtube.com/channel/UCXHZRDD07dagt49IctyXOwQ

Facebook:
https://www.facebook.com/foxacademybr/